River vence o Boca e é  campeão da Libertadores

Por : Fernando Souza

River Plate é o novo campeão da Taça Libertadores da América. Em partida dramática, realizada excepcionalmente em Madrid, que só foi decidida no segundo tempo da prorrogação, o River conseguiu uma épica virada e ainda impôs uma amarga derrota ao maior rival.

Após o adiamento do jogo de volta, ocorrido por conta da selvageria protagonizada por alguns torcedores “milionários”, a CONMEBOL, apesar da pressão dos Clubes, da imprensa  e até mesmo do Presidente Maurício Macri (ex presidente do Boca) , levou a final para Madrid, para o mítico Santiago Bernabéu, casa do poderoso  Real Madrid.

Dentro das quatro linhas, o primeiro tempo foi bastante truncado e tenso, mas o Boca, mais organizado, conseguiu neutralizar as principais peças do River, contudo  sem criar muitas chances claras. O gol do Boca nasceu depois de uma das poucas ações ofensivas do adversário. Em um contra-ataque mortal, aos 44 minutos da primeira etapa, a bola caiu nos pés do uruguaio Nandes, que lançou o atacante Benedetto. O iluminado artilheiro se livrou do defensor e  tocou com muita categoria no canto esquerdo do goleiro. Seria a única alegria dos torcedores “xeneizes” na noite.

No segundo tempo, o River, sem outra alternativa, saiu pro tudo ou nada.  Passou a dominar  o jogo se valendo da melhor qualidade técnica do seu elenco. Do outro lado, o treinador do Boca, por  questões  físicas, teve de substituir Benedetto, que deixou o campo para a entrada do limitado Ábila.

Já   Galhardo, técnico do River, com o intuito de de deixar sua equipe ainda mais ofensiva, colocou o meia colombiano Quinteros. Em uma das várias articulações iniciadas pelo  craque no setor direito do ataque, a bola caiu nos pés de Lucas Pratto e foi morrer na rede do goleiro Andrada.

O jogo seguiu empatado até o fim do tempo normal. Mas no primeiro minuto da prorrogação, o volante Barrios, que já tinha cartão amarelo, fez uma falta ríspida e acabou expulso, deixando o Boca com apenas 10 jogadores.

O River, senhor absoluto das ações, se atirou ainda mais ao ataque. Ao Boca, com um homem a menos,  restava levar o jogo para a decisão por  pênaltis ou  acreditar em um milagroso gol da vitória. Mas, aos 4 minutos do segundo tempo da prorrogação, Quinteros, eleito destaque da partida, acertou um belo chute e conseguiu a virada.

Mas o drama ainda não havia acabado, o Boca lutou heroicamente e  mesmo depois de perder mais um jogador (Gago saiu contundido e não pôde ser substituído) , ainda conseguiu, em seu último ataque, colocar a bola na trave do goleiro Armani. No contra-ataque desse mesmo  lance,  o meia  Martines ficou com o gol livre e praticamente entrou com bola e tudo.

Fim de partida, fim de campeonato, River Plate Campeão da Libertadores pela quarta vez em sua história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *